sábado, 11 de outubro de 2008

Portugues Suave


"Acidentes, deslizes e enganos fazem parte da realidade. Sem eles a existência não teria metade da graça. São sal e pimenta neste jardim à beira mar plantado, insonso e sonso em que ainda vivemos.

É a nossa natureza, português sempre suave, aconteça o que acontecer"



Português Suave foi o 3º livro que li de Margarida Rebelo Pinto, o 1º foi o Sei Lá e depois Não há coincidências.

Quanto aos dois primeiros confesso que os achei fúteis, com personagens demasiado fúteis e uma linguagem com demasiada asneiras, não que eu seja pudica, nada disso... apenas não me apetece ler um livro com cinco ou seis asneiras por frase....

Quanto ao Português Suave surpreendeu-me pela positiva, em todo o livro só há duas ou três asneiras lolol além disso gostei das personagens bem construídas, da forma como vão narrando a história desta família e como pessoas que crescem no mesmo meio e com o mesmo tipo de educação podem ter formas tão diversas de lidar com problemas semelhantes.

Sinceramente gostei do livro.

"Confesso que cheguei a invejar-lhes a vida organizada e ordeira, os filhos sossegados e disciplinados, aquele modelo muito burguês, muito português suave, a que o Alexandre O'Neill chamava a alegria sonâmbula, a vírgula maníaca do modo funcionário de viver, tão morno, tão brando, tão baseado nas aparências e em tudo como deve ser, porque o parecer está ainda e sempre acima do ser, e o dever, acima do prazer, do sentir, de tudo."

Sinopse

Temos de enfrentar os nossos fantasmas...pelo menos uma vez na vida.
Na década de quarenta, Mercês Perestrello é dada como louca e afastada dos seus filhos. Nos anos sessenta, as gémeas Maria Teresa e Maria Luísa seguem caminhos opostos em busca da (mesma) felicidade. Quarenta anos depois, as primas Leonor e Naná desvendam segredos nunca antes imaginados. São três gerações de mulheres a desafiar os brandos costumes, mas apenas uma a descobrir a verdade.
Num país em que a prudência aconselha a seguir a máxima uma coisa de que não se fala não existe, a vontade de subverter todas as regras irá mudar o destino de uma família.

5 comentários:

Pedro disse...

Estou impressionado!

Cá em casa tenho "Sei lá" e "Não há coincidências", ainda não li mas a vontade é zero =P

Quanto a este, fiquei impressionado ao ver que a autora conseguiu um bom romance.

piolha disse...

O livro parece-me interessante mas tenho um pouco medo de ficar desiludida como fiquei com os outros...será que desta vez é realmente um bom romance???

Tanea disse...

Sim, acho que é um bom romance. Não excepcional mas bonzinho. Gostei das personagem e da história, penso no entanto que deveria ter sido mais desenvolvida, queria um bocadinho mais :)

Piolhita, agora vou emprestar o livro a uma amiga mas depois posso enviar para ti :)

flicka disse...

Eu também gostei deste livro mas foi o 1º da MRP que li, até escrevi o post: http://viagemnasleituras.blogspot.com/2008/10/portugus-suave.html
Devo dizer que foi por acaso, não por ser da MRP mas sim pela sinopse que me chamou a atenção, sobre mulheres portuguesas de três gerações, desde o tempo de Salazar até agora. Pelas sinopses dos seus livros anteriores, desconfiei serem FUTEIS e ORDINÁRIAS, o que vieste a dizer sobre "Sei lá" e "Não há coincidências". Não vou ler esses nem outros. "Português Suave" é que vale a pena a ler. :)

Anônimo disse...

Eu ja li este e o '' Diario da tua ausencia'' e ambos estao muito bem escritos e interessantes. se bem que gostei muito mais do Portugues suave, para min esta um romence super giro, e como grande parte da historia se desenrola numa zona que eu conheco muito bem, Estoril, e mais facil percebermos os sitios de que a autora fala e o que nos quer transmitir, e vi me muito neste livro. aconcelho a todos a lerem.